Início > Sem categoria > sobre os jovens lutadores de ontem e hoje

sobre os jovens lutadores de ontem e hoje

(por Paula Berbert, extraído do blog carregobandeira.blogspot.com)

 

sobre os jovens lutadores de ontem e hoje no rosto ainda não tinham as marcas do tempo. vestiam jeans e camiseta. os tênis sujos e baixos se remetiam à época que brincavam de bola na rua. atentos ouviam relatos sobre dias de bestialidade. era 1º de abril de 2011 – há 47 anos logrou-se o golpe militar no brasil, que se forjou como um intento claro de interromper a entrada em cena dos trabalhadores e da massa oprimida como sujeitos da história. as mortes, a tortura os seqüestros e repressão de outrora funcionam ainda hoje como uma máquina do estado burguês de moer gente. e como uma máquina que também nos recria como uma gente sem história. chegaram cantando. lá de dentro ouvia-se que aquele era dia de reconstruir a memória. punhos fechados, dedos em riste. a veia saltada na garganta. os sorrisos eram macios e iluminados. não traziam nas costas o peso das derrotas. mas carregavam nas mãos a bandeira das gerações anteriores: ‘abaixo a ditadura! povo no poder!’. entendiam que é preciso se rebelar contra as correntes do passado, que representam as apostas estratégicas equivocadas, e que teimam em atar nosso futuro [‘desatai o futuro!’ – grita maiakovski do ano de 1917]. sentados no chão seguiam ouvindo os relatos dos dias de chumbo. os ouvidos arderam com a história da jovem trotskista torturado e assassinado pelas mãos dos militares e da polícia política. se emocionaram ao ouvir do veterano declarar: ‘a partir de hoje vocês não podem mais dizer que não viveram tudo isso’. a memória, tão desbotada pela ação consciente e cretina das classes dominantes, recobrou suas cores e traços nas dezenas de olhos marejados. olavo hanssen simbolicamente renasceu ali. ele ressurgiu no compromisso de combate. combatemos por nós e pelos que estão a caminho. mas é também para honrar e fazer valer a luta dos que tombaram no fronte. no outro dia, numa pichação em um muro da vizinhança, reconheci o rosto dos meus companheiros: ‘arquivos da ditadura – abertura já!’.

Categorias:Sem categoria
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: