Início > Sem categoria > No pacato zoológico social da pequena-burguesia de Barão Geraldo a realidade questiona: status quo das famílias intelectualizadas ou vila da juventude trabalhadora?

No pacato zoológico social da pequena-burguesia de Barão Geraldo a realidade questiona: status quo das famílias intelectualizadas ou vila da juventude trabalhadora?

por L. Gonzaga

 

“As vestes poeirentas de nossos dias, cabe a ti, juventude, sacudí-las” Maiakovski

Acostumados a observar a realidade desde seus gabinetes e nunca tocá-la; repousados nos palácios e nunca nos cortiços; distanciados da vida, beirando a morte, as famílias pequeno-burguesas-ultra-intelectualizadas (regadas a Bordeaux e queijo Feta) do Distrito de Barão Geraldo estão estarrecidas com a presença dos construtores de seu próprio status quo, é o que informa, não exatamente com estas palavras, o site Barão em foco (http://www.baraoemfoco.com.br/barao/noticias/2011/agosto/santander.htm).

Devotos fervorosos de que a classe operária só existia nos livros já em desuso e restritos a círculos de dinossauros hoje habitantes de outros planetas, os estratos sociais dos pacatos moradores de Barão Geraldo acordaram com suas casas deslocadas para o lado dos velhos cortiços, despertados mais cedo do sono profundo, viram não máquinas, mas braços humanos a construírem seus sonhos, com traços e germes de pesadelo intenso. (Explico aos pacatos moradores, é que o espanhol Santander já não sabe mais o que fazer com tanta crise em seu país de origem: não sabe o que fazer com o euro, não sabe o que fazer com seus ativos podres, não sabe onde enfiar a dívida exponencial de seu governo e não sabendo também o que fazer com tantos operários sem teto – com a crise habitacional crônica na Espanha – enfiou-os ao lado de tuas casas).

Mas se hoje roubam apenas parcela de teu sono e de tua tranquilidade, amanhã tomarão de assalto tua Universidade e a colocarão a serviço da sociedade, dos trabalhadores, da classe operária. Se hoje habitam o cortiço ao lado, amanhã tomarão de fuzis empunhados a mesa sagrada de teu jantar familiar e nela declamará o poema hoje oculto, tomando de teu vinho; será em tua mesa o lugar preferido das orgias da juventude sedenta dos prazeres por ti tolhidos; discutirá a preparação detida do fim de teus dias e construirão desde teu Quartel General de tranquilidade a construção de uma sociedade sem classes, livre e realmente humana. A ditadura do proletariado virá e ocupará todas as tormentas de tua vida, colocará os negros, as mulheres, os homossexuais e todos os setores oprimidos e explorados da sociedade que tanto cuidou dentro de tua universidade, e repousará em tua cama de rei. Destruirá até mesmo a polícia defensora de tua paz (e acabará de vez com os estupros que te chocam como chocam as diabetes de teu cachorrinho de pelúcia)!

Não duvideis: o ódio que sentes desta gente tão cinzenta é nela multiplicada por mil e quando puderem não titubearão para derrubar-te do trono.

Mas fiquem tranquilos, meus caros pequeno-burgueses de Barão, que o Barão em foco defenderá teus interesses como nunca quando tiverem alcançado a almejada paz eterna ao lado do trono do Santo Senhor Jesus Cristo, e aqui embaixo estiver de vez instaurada a vida!

 

Anúncios
Categorias:Sem categoria
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: